Sida aumenta assustadoramente no Lubango
Em cada dez pacientes que diariamente dão entrada nas urgências do Hospital Sanatório do Lubango, na província da Huíla, metade tem tuberculose relacionada com o vírus da SIDA.

 Os pacientes são maioritariamente jovens e a situação está a "assustar" o director-clínico da unidade, Lourenço Kolete. Esta é uma realidade para a qual a Rede Angolana das Organizações de Serviços de Sida e Grandes Endemias (ANASO) tem vindo a chamar a atenção há vários anos e que não se limita à província da Huíla, estendendo-se a todo o País. O secretário executivo da ANASO, António Coelho, dizia, já em 2020, que o que falta em vontade política, sobra em fome e miséria. O que falta em prevenção, sobra em novas infecções e mortes.

Os números foram esta quinta-feira apresentados pelo médico Lourenço Kolete, que, em declarações à Angop, afirmou que em cada dez pacientes diagnosticados com a doença e internados diariamente, metade são, também, portadores do VIH.

Entre Outubro de 2021 e o de 2022, segundo o director-clínico do Hospital Sanatório do Lubango, foram registados 186 novos casos, destes 118 com baciloscopia positiva e 117 com baciloscopia negativa e 33 pacientes morreram.

Em declarações à ANGOP, Lourenço Kotele considerou a situação "preocupante", pelo facto dos pacientes serem maioritariamente jovens e fingirem não ser portadores do VIH, mesmo sabendo que têm uma imune supressão severa.

"O problema começa com o abandono do tratamento. Nós dentro da nossa plataforma de gestão estamos virados para a prevenção, mas as pessoas começam com o quadro de sistema respiratório de 14 dias e procuram ajuda médica apenas já em estágio avançado da doença, optando, à partida, por tratamentos caseiros", realçou.

Outra dificuldade registada pelo serviço é o abandono de doentes por familiares. O director clinico contou que, há uma semana, o familiar de um doente solicitou ao hospital que apenas entrasse em contacto com ele quando o seu parente falecesse.

A Rede Angolana das Organizações de Serviço de Sida (ANASO) tem vindo a alertar para esta realidade que mina não só a província da Huíla mas todo o País. Em 2020, como avançou o Novo Jornal, em Angola, os números oficiais apontavam para cerca de 350 mil pessoas que vivem com HIV-SIDA, mas António Coelho, secretário executivo da Rede Angolana das Organizações de Serviços de Sida e Grandes Endemias (ANASO), acreditava que a cifra é muito mais alta.

"Os números, neste caso, mentem", diz. No entanto, e perante os números oficiais, o panorama é confrangedor, sobretudo se tivermos em conta que por dia são detectadas 20 novas infecções entre jovens e adolescentes dos 15 aos 24 anos e são registadas oito a nove mortes relacionadas com a doença neste grupo etário.

Em 2020, havia, no País, mais de 49 mil adolescentes e jovens entre os 15 e os 24 anos a viver com HIV, e, desses, 37 mil do sexo feminino. As mulheres são, aliás, as principais vítimas do HIV-SIDA: existiam 210 mil infectadas, das quais apenas menos de 55 mil fazem terapia retroviral.

A taxa de abandono dos tratamentos também é altíssima, revelou António Coelho, que calcula que a percentagem ronde os 54%, ou seja, "em cada 100 pessoas que no princípio do ano entram para o tratamento, no final do ano 54 desistiram".

O secretário da ANASO mostrou-se ainda preocupado com as cerca de 31 mil crianças que padecem de SIDA no País, sobretudo quando apenas cinco mil têm acesso a tratamento. Mas as vítimas da SIDA não são apenas os que contraem a doença. No País há 176 mil crianças órfãs devido ao HIV.

Para o responsável da ANASO, é preciso "um sistema de informação em saúde que funcione porque os dados não são credíveis".

"A radiografia que temos vindo a fazer não é a mais real, é a possível, porque quando nós vamos às comunidades damos conta de que a situação é muito mais complicada do que os números oficiais indicam", declarou.

Segundo António Coelho, e de acordo com os números da ONUSIDA, há oficialmente 350 mil casos de VIH/SIDA no País, mas estes números estão muito longe da realidade, alerta a ANASO.

REAÇÕES

0
   
0
   
0
   
0
   
0
   
0
   
0
   
0
   

Comentários