PR denuncia ‹resistência organizada› na luta contra a corrupção
O Presidente da República, João Lourenço, avisou na passada Sexta-feira, em Luanda, que não é possível dispensar a justiça no combate à corrupção e que vai continuar esta luta apesar da “resistência organizada” que tem encontrado.

“É evidente que a perda repentina dos direitos abismais que alguns pensam ser um direito divino inquestionável, tinha de criar resistência organizada na tentativa de fazer refrear o ímpeto das medidas em curso”, declarou o presidente no seu discurso de abertura da III Reunião ordinária do Comité Central do MPLA.

Sem citar nomes, falou de pessoas que tiveram “uma ambição desmedida, mas que deviam, pelo contrário, agradecer a acção do executivo”.

“Se deixássemos a festa continuar talvez viessem morrer de congestão de tanto comer”, iroizou.

Reforçou que foi o MPLA que “teve coragem de encabeçar a luta contra estes fenómenos negativos e condenáveis” ao reconhecer os danos causados pela corrupção e nepotismo à economia e aos cidadãos, mas acrescentou que esta luta já não é só do MPLA e da oposição, e sim de toda a sociedade.

Uma luta que, continuou, “penalizará aqueles que dela desistirem ou pretenderem regressar ao passado”.

No discurso, João Lourenço fez questão de sublinhar que é a sociedade angolana que exige a continuação desta luta “pelos ganhos morais, de reputação e económicos” que o país beneficiará.

Fonte: VA

REAÇÕES

COMENTÁRIOS