Polícia detém chineses por exploração ilegal de madeira
A Polícia Nacional, na província do Moxico, deteve cinco cidadãos chineses, que se dedicavam a exploração ilegal de madeira mussivi, no município dos Luchazes.

No local, foram encontrados diversos meios que facilitavam a exploração de madeira, tais como quatro tractores, três pás carregadoras, dois geradores industriais, duas máquinas de serração, 83 lâminas e quantidades de madeira serrada por determinar.

O director do Gabinete de Comunicação e Imprensa do Comando Provincial da Polícia no Moxico, Alberto Pacheco, disse que a acção da corporação “foi possível graças a uma denúncia de um popular, que se mostrou indignado com o corte ilegal de madeira na localidade”.

O Jornal de Angola apurou que os infractores, depois de cortarem a madeira, enterravam-na para ludibriar os agentes da fiscalização, já que está proibido o corte da madeira Mussivi, uma das espécies mais cobiçadas devido ao seu valor comercial.

Um dos infractores detidos disse que foram subcontratados pela empresa Carolina, situação em que o SIC que deteve três dos cinco chineses envolvidos, prometeu trabalhar para encontrar os supostos angolanos implicados neste processo.

O director do Instituto de Desenvolvimento Florestal na província, Paulo Divali, afirmou que os cidadãos chineses em causa não estão filiados a nenhuma empresa de exploração de madeira no Moxico, apenas prestam apoio técnico a alguns empresários angolanos.

Fonte: JAOnline

REAÇÕES

COMENTÁRIOS