Munícipes queixam-se da falta de transporte público em Luanda


Para chegar ao local de trabalho, a escola e outros locais, nas primeiras horas da manhã, está cada vez mais difícil, falta de transportes público, e os taxistas encurtam as rotas e cobram o dobro da corrida.

Conseguir apanhar o táxi continua ser a dor de cabeça dos luandenses na semana de ponta, apesar de acordarem cedo muitos cidadãos ficam aproximadamente duas horas nas paragens de táxi para conseguir chegar ao seu destino, mas aos empurrões. 

Numa ronda feita pela Angola-Online nas paragens de táxi do Golfe I e II, Vila de Viana, Rocha Pinto, Benfica e do Zango, nesta manhã, foi visível a impaciência e luta entre os cidadãos que corriam atrás dos táxis, para não atrasarem, mas por ironia dos taxistas voltavam a descer das viaturas pelo preço da corrida. 

É nesses pontos da cidade capital onde começa a dura e agitada jornada, circulando em transportes lotados, escassos e, em muitos casos até, em mau estado técnico.

O serviço de transportes colectivos em Luanda é feito maioritamente por meio de autocarros e comboios, que levam milhares de passageiros que se adaptam a condições extremas.

Há mais de cinco anos, o mercado dos transportes públicos urbanos vem sendo servido pelas operadoras MACON, TURA, ANGOSTRAL e TCUL. Mas pontos ou quase nada, destes transportes são vistos nas estradas de Luanda. 

Numa altura que a fonte da Angola-Online, confirma a subida dos preços dos combustíveis  já nos próximos meses. 

Fonte: Redacção

REAÇÕES

0
   
0
   
0
   
0
   
0
   
0
   
0
   
0
   

COMENTÁRIOS NO FACEBOOK