Menor em junta médica na África do Sul pode fugir do hospital por maus-tratos
A menor de 10 anos de idade, Catarina Miguel, internada no hospital público Steve Biko Academic, em Pretória, África do Sul, queixa-se de sofrer maus-tratos, por parte de enfermeiras desta instituição.

P U B L I C I D A D E

P U B L I C I D A D E

Depois de ter manifestado que a barreira da língua estava a interferir no seu tratamento médico, Catarina recorreu ao WhatsApp para informar o seguinte: “Tia, ontem (sábado), quando a mamã foi dormir, a enfermeira me bateu na cara e me arranhou o braço”, escreveu, como quem estivesse a pedir socorro.

Questionada sobre a razão que levaria à alegada agressão, Ana Miguel, mãe de Catarina, explicou que na noite de sexta-feira, 13, quando se ausentou da sala onde a filha está internada, “as enfermeiras tentaram dar um medicamento que a Catarina só toma em comprimido, porque xarope causa-lhe reacções, recusou com gestos, mas as enfermeiras não entenderam e bateram-na”, reportou.

Catarina Miguel da Gama padece de um cancro no útero e está internada desde o dia 5 de Dezembro, depois de ter beneficiado de Junta Médica do Ministério da Saúde. Mas, de acordo com mãe da paciente, desde que lá chegaram, vivem imensas dificuldades, principalmente, porque não dominam a língua inglesa.

Uma vez mais, este veículo de informação transmite às autoridades médicas angolanas, especialmente ao Ministério da Saúde, o relato de uma menina de 10 anos de idade, que se queixa, a chorar, sempre que nos conta as cenas “humilhantes”, como as classificou a mãe, que já teme pela segurança e vida da filha.

“A Catarina quer fugir pela janela. Já tenho receio de ir dormir e no dia seguinte não a encontrar aqui”, desabafou Ana Miguel, que dorme num albergue do hospital.

De tanto desespero, a menina já não dorme às noites, com medo das enfermeiras. “Estou disposta a assinar um termo de responsabilidade e voltar para Angola, ela vê que as outras crianças são melhor assistidas e cada dia que passa fica mais em baixo. É melhor voltarmos para Angola”, disse Ana desesperada.

Fonte: JAOnline

REAÇÕES

0
   
0
   
0
   
0
   
0
   
0
   
0
   
2
   

Comentários