Adalberto da Costa: «MPLA tem medo das autarquias»
UNITA diz existirem sinais claros de inviabilização das eleições autárquicas em 2020. O seu presidente apontou, falando a OPAÍS na cerimónia de cumprimentos de fim-de-ano ao Presidente João Lourenço, a falta de vontade política do MPLA para partilha do poder com o cidadão como o grande receio sobre as autarquias

P U B L I C I D A D E

P U B L I C I D A D E

O líder do maior partido da Oposição acredita existirem fortes sinais da parte do partido que governa para inviabilizar a realização das eleições autárquicas no próximo ano. Adalberto Costa Júnior, em exclusivo a OPAÍS, disse existir ‘medo’, em quem governa o país há longos anos, de partilhar o poder com o povo, transitando de uma governação horizontal para a vertical.

“Basta ver o atraso desnecessário que se regista na aprovação do pacote legislativo autárquico”, tomou como exemplo, tendo o político garantido tudo fazer para que as autarquias sejam realizadas na data aprazada e em todos os municípios do país. Em relação à crise económica que Angola atravessa, receia que venha a agravar-se, caso o Governo resolva retirar os subsídios aos combustíveis. Para ele, estas medidas devem ser implementadas em simultâneo, potenciando o sector privado, este que pode garantir a estabilidade economia por via da produção interna e da criação de postos de trabalho. “Se assim não for, tudo vai acabar por pesar no bolso do cidadão que já se encontra com o poder de compra muito baixo”, disse.

“Angola é um país com enormes potencialidades e com rigor podemos, não há razões de existir crise. Mas o grande problema é que quem vai em frente tem que iluminar, tem que ser um exemplo de rigor e sacrifícios”, precisou. Adalberto Costa Junior afirmou que um dos grandes eixos da sua governação será (se for eleito em 2022) privilegiar o dialogo e relações de confiança, legitimando as instituições, sabendo que elas precisam de fazer muito mais do que têm feito. Adalberto Costa Junior é o terceiro presidente da UNITA, antecedido por Isaias Samakuva e Jonas Savimbi (o líder fundador do partido). O actual presidente foi eleito em Novembro último, no XIII Congresso.

O PAÍS

REAÇÕES

COMENTÁRIOS