Entre colegas sabe bem melhor?
Cada vez mais casos de envolvimentos entre colegas de serviço, da faculdade, são comuns, apresentamos alguns pontos que facilitam tais actos

Publicidade

Publicidade

Uma troca de olhares aqui, um almoço marcado. Um e-mail mais atrevido e umas quantas idas em simultâneo ao gabinete ou à sala de reuniões. Risinhos aqui, rostos corados ali, eis que começa uma relação amorosa no trabalho. Já viu isto em algum lado? É normal. Este é um dos maiores clichés do cinema e dos livros e aquele que, possivelmente, mais faz as pessoas fantasiarem. E, sim, é possível que já tenha experimentado isto na primeira pessoa também.

Para o psicólogo e sexólogo Fernando Mesquita, “adrenalina, histeria e vontade de quebrar essas regras” são três dos motivos que levam os homens — e as mulheres, claro — a envolverem-se sexualmente no local de trabalho, até porque, todos sabemos, o fruto proibido é o mais apetecido e isso “vai aumentar a vontade de ter uma relação com outra pessoa”.

É no local de trabalho que passamos grande parte do dia, que vivenciamos oscilações emocionais e que mostramos o nosso lado mais frágil, sobretudo em momentos de maior stress e pressão. Tudo isto é meio caminho andado para criar novas relações e intensificar outras quantas.

 Enquanto algumas não passam da mera amizade, a maioria acaba por se transformar num romance. Mas, porque é que se encontra tão facilmente o amor (ou a tentação) no local de trabalho? Para a psicóloga Virgínia Rodrigues, do Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, “não há uma regra”, mas o facto de passarmos cada vez mais tempo no local de trabalho — e de partilharmos experiências lá — facilita o romance.

Fernando Mesquita, que também trabalha no âmbito de terapia de casal, destaca ainda que nos “esquecemos de que nos arranjamos muito mais para ir para o trabalho e que depois chegamos a casa, cansados, vestimos o pijama, despenteámo-nos e perdemos todo o encanto. Mas devia ser o contrário, devíamos investir mais em casa. Além de que, durante o dia, há mais oportunidade para partilhar o que sentimos, estamos mais atentos, e há mais espaço para que exista comunicação. Cada vez mais dedicamos mais esforço no trabalho do que na relação conjugal”.

MH

REAÇÕES

COMENTÁRIOS