Governo de mãos dadas com a oposição
O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciou hoje na Assembleia da República que vai assinar na quinta-feira o acordo de paz para a cessação definitiva das hostilidades militares com o líder da Renamo, Ossufo Momade, na serra da Gorongosa.

Ossufo Momade foi escolhido em Janeiro para a liderança da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) com 410 votos, enquanto Elias Dhlakama recebeu 238, Manuel Bissopo teve sete e Juliano Picardo recolheu cinco votos. 

Um quinto candidato, Hermínio Morais acabaria por se retirar da corrida e apoiar Momade.

Ossufo Momade, que já tinha sido designado coordenador interino da Renamo desde a morte do histórico líder, Afonso Dhlakama, em maio de 2018, foi confirmado na liderança do partido no início desta ano.

Ossufo Momade, um dos generais e políticos mais conhecidos do partido, integrou a guerrilha depois de ter servido nas fileiras das forças governamentais da Frelimo, partido no poder.

Filipe Nyusi é candidato às eleições presidenciais de 15 de Outubro pela Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, que vão decorrer em simultâneo com as legislativas e assembleias provinciais, que pela primeira vez vão eleger governadores das 10 províncias do país.

A Assembleia da República é dominada pela Frelimo, com uma maioria de 144 deputados, seguida pela Renamo, principal partido da oposição, com 89 deputados, e depois pelo Movimento Democrático de Moçambique (MDM), com 17 deputados.

Há perto de um ano, o chefe de Estado moçambicano e o coordenador interino da Renamo assinaram um memorando sobre a desmilitarização do braço armado do principal partido da oposição.

Fonte: Lusa

REAÇÕES

COMENTÁRIOS