Economia angolana em destaque nos EUA
Os novos desafios da economia angolana à luz das reformas levadas a cabo pelo Presidente João Lourenço, estiveram em debate nos EUA, durante um almoço, realizado à margem das reuniões de primavera do Banco Mundial e FMI que decorrem na capital americana até ao próximo domingo, 14 de Abri de 2019.

Promovido pela Câmara de Comércio EUA - Angola (USACC) e a 25ª Constituência do Banco Mundial, o evento subordinado ao tema “Investindo no Futuro de Angola”, centrou-se em partilhar os esforços do Governo angolano na estabilização da política monetária e cambial, bem como, adequar o sistema bancário as boas práticas e normas internacionais.

O almoço foi presidido pela Presidente da Câmara de Comércio EUA - Angola (USACC), Maria da Cruz e o Director Executivo em Exercício da 25ª Constituência do Banco Mundial, Armando Manuel, e contou com a participação do Embaixador de Angola nos EUA, Agostinho Tavares, do Governador do Banco Nacional de Angola, José de Lima Massano, do Vice Presidente do Fundo Monetário Internacional, Sergio Pimenta, representantes da Administração americana, incluindo o Secretário Adjunto para África e Médio Oriente, bem como o secretário de Estado do Comércio.

O Secretário Adjunto para África e Médio Oriente da Administração americana, Sr. Matthew Harrington sublinhou que as recentes visitas de Cyril Sartor, Conselheiro do Presidente Trump para África e John Sullivan, Secretário Adjunto do Departmento de Estado, demostram que os Estados Unidos estão empenhados em fortalecer parcerias em vários domínios, fruto das medidas corajosas adoptadas pela nova liderança em Angola.

Na sua abordagem, o Governador Massano destacou como parte do plano de establidade macroeconomica, entre outras medidas, a importância de reduzir as importações sendo estas grandes consumidores de divisas, capaz de permitir um ambiente de negócios mais favoravel ao pais.

Esteve ainda presente no almoço, o antigo Sub-Secretário para o Tesouro americano, Sr. Adam Szubin, agora também membro do Conselho do FSVC (Financial Services Volunteer Corps) entidade que fez um levantamento do sector financeiro a pedido do BNA, fazendo uma incursão sobre as razões que levaram o Governo americano suspender as relações de correspondência entre os bancos americanos e bancos comerciais angolanos. 

Adam Szubin mostrou-se optimista, considerando que as medidas em curso e implementadas pelo actual executivo, através do BNA, poderão contribuir para a melhoria das relações financeiras entre, os Estados Unidos e Angola.

O almoço serviu ainda para anunciar que à margem das reuniões anuais do Banco Mundial, em outubro próximo, realizar-se-á uma reunião alargada que, contará com a participação de membros de ambos os países e convidados para partilha de visões sobre os passos subsequentes referente as melhorias das relações financeiras bilaterais.

Crédito de Angonoticias

REAÇÕES

COMENTÁRIOS