ANDELENO forma mais de 100 jovens e crianças desfavorecidas em Viana
Mais de 100 jovens e crianças desfavorecidas terminaram a formação básica profissional em diversos cursos, com ajuda da “Associação de Apoio à Crianças e jovens em condições de Vulnerabilidade”, conhecida também por ANDELENO.

Terminou no passado sábado a primeira fase do programa de “Aprendizagem aos Sábados”, promovido pela “Associação de Apoio à Crianças e jovens em condições de Vulnerabilidade”, na igreja Visão Cristã, no município de Viana, em Luanda. 

O ciclo de formação que durou três meses, formou 48 crianças e 62 jovens, nos cursos de Artes Oficio e Decoração, Culinária, Pastelaria, Electricidade de Construção Civil, Educador de Infância, Canto e Guitarra, Pedagogia e Didáctica, Secretariado Geral e Gestão de Recursos Humanos. Os beneficiários foram os jovens e crianças acusados de feitiçaria, abandonados pela família e que procuram largar o mundo do álcool e das drogas, internados no centro de reabilitação da igreja Visão Cristã, bem como residentes nos arredores da referida instituição religiosa.

Apesar das dificuldades enfrentadas, André Paiva, responsável da associação, considerou a primeira fase de formação no município de Viana, positiva e fez saber que os formandos estão aptos para o mercado de trabalho. 

“Estamos indo na normalidade, num período de três meses conseguimos formar mais de 105 formandos… Estes formandos se irem à um posto de trabalho estão capacitados em executar o que aprenderam durante a formação”, disse André Paiva, fazendo saber por outro lado que, a formação é dada por professores de centros de formação que têm parceria com associação e os certificados são reconhecidos pelo MAPTSS.

Para materialização do projecto, a associação contou com o apoio da administração municipal de Viana. E pede apoio as instituições privadas e públicas, para extensão do projecto em outras zonas da capital. 

A “Associação de Apoio à Crianças e jovens em condições de Vulnerabilidade”, existe há quatro anos, está nas 18 províncias de Angola e em outros países. E já formou em Angola mais de três mil jovens e crianças.

REAÇÕES

COMENTÁRIOS