Eu no candongueiro: Planeamento familiar veio aumentar o índice da prostituição em Angola


Na tarde ensolarada desta quarta-feira, em Luanda, a equipa da rubrica “Eu no Candongueiro’’, da Angola-Online, decidiu apanhar o táxi do Golf 2 com destino a Vila do Gamek, numa viagem tranquila onde o planeamento familiar foi a descontraída conversa.

Numa viagem calma e tranquila, com os proprietários da viatura (o motorista e o cobrador), de marca Toyota Hiace, vulgo quadradinho, a fazerem o seu trabalho. O clima tornou-se mais quente, apesar de estar ligado o AC da viatura, quando de repente a jovem Alexandra lançou a seguinte frase.

“Eu não vejo a necessidade de as mulheres de agora, optarem fazer o planeamento. Tudo muito bem tem a sua vantagem, mas as desvantagens sobressaem-se mais.”

Descontente com as afirmações que tivera dito, acrescentou “o planeamento só veio aumentar o índice da prostituição no país. As mães que permitem com que as filhas façam isso, não sabem as consequências”, alegou.

Como queríamos saber a causa da afirmação, questionamos: Porque a jovem faz tal afirmação? E a mesma sem papá na língua respondeu?

“Olha moço, as mães da antigamente não usavam esses métodos para se protegerem, mas faziam dois à quatro anos sem se engravidarem. Mas como nós somos os mais sábios, procuramos nos globalizar e adoptar esses métodos dos brancos.”

Numa velocidade argumentativa que nem dava tempo de outras pessoas intervir na conversa, a jovem continuou: “As mães não sabem que fazendo isso, as filhas ficaram vulneráveis à prática de sexo e passaram a destemer a gravidez indesejada, e por conseguinte as levará a ter doenças como: Sida, Sífilis, gonorreia e ate mesmo infertilidade”, rematou Alexandra.

Mal terminou o seu longo raciocínio, nos apercebemos que já tínhamos chegado a nossa próxima paragem, e a maioria dos ocupantes do táxi, por sinal jovens, meteram-se a rir, como se de uma piada se tratasse.

Até ao próximo Candongueiro, esperemos que apanhamos o seu.

REAÇÕES

2
   
0
   
2
   
0
   
0
   
1
   
2
   
0
   

Comentários