Governo já gastou mais de 370 milhões de dólares no combate à Covid-19


Gastou mais que as outras doenças que mais matam no país.

Em 15 meses, só com a prevenção e combate à Covid-19, o Estado angolano gastou mais de 233,7 mil milhões de kwanzas, correspondentes a 372 milhões de dólares, à luz da taxa de câmbio média actual, segundo o Novo Jornal os dados provisórios dos relatórios trimestrais de execução do Orçamento Geral do Estado revisto de 2020 e do OGE 2021.

Na verdade, para as despesas de prevenção e combate à Covid-19, o Executivo do Presidente João Lourenço previa aplicar, de Abril de 2020 até Junho último, mais de 335 mil milhões de kwanzas, equivalentes a 533 milhões de dólares, mas gastou apenas 70% do montante indicando, tendo sido possível poupar mais de 101 mil milhões de kwanzas, ou seja, 161 milhões de dólares, observou o Novo Jornal os relatórios disponíveis no site do Ministério das Finanças (MINFIN).

Dados dos documentos que temos citado apontam, no entanto, que, ao longo dos últimos cinco trimestres, quase 50% das despesas relacionadas com o combate à Covid-19 estão associadas à aquisição de "Material de Consumo Corrente Especializado", sendo que, para esse fim, foram injectados 112 mil milhões de kwanzas (178 milhões USD) dos mais de 233,7 mil milhões Kz que o Estado aplicou no conjunto da despesa total.

Embora os relatórios não descrevam que tipo de "Material de Consumo Corrente Especializado" foi adquirido no período indicado, um médico especialista em Saúde Pública, que preferiu não ser citado, detalhou ao Novo Jornal que se trata, no geral, de ventiladores electrónicos microtak total, cardiovasculares bifásicos Vivos, monitor de sinais vitais CMOS Drake, mesa de Mayo, mesa auxiliar de aço Inox, carro para administração de medicamentos, camas com colchões, cortinas hospitalares em PVC, central de vácuo clínico e central de ar Comp.

O especialista em Saúde Pública defendeu que as vacinas contra a pandemia deviam, também, estar discriminadas numa rubrica separada dentro do documento. Não sendo o caso, como, aliás, se observa no relatório, o médico calcula que essas despesas estejam, igualmente, alocadas em "Material de Consumo Corrente Especializado", acrescentando, a posterior, que, do item, fazem também parte os fatos de nível 3, máscaras, luvas, óculos, gases medicinais e outros equipamentos de biossegurança.

Covid-19 «ganha» 17 vezes mais que a malária

Os 233,7 mil milhões de kwanzas gastos até Junho último pelo Governo com a Covid-19 é 17 vezes superior aos 2,4 mil milhões de kwanzas da verba inscrita no OGE 2021 destinada ao "Projecto de Combate à Malária", que é nada mais, nada menos, do que a maior causa de morte no País, "matando", em média, mais de 10 mil pessoas por ano, de acordo com dados oficiais do Programa Nacional de Combate à Malária do Ministério da Saúde (MINSA), que mostram que a doença tem vindo a ser cada vez mais mortal.

REAÇÕES

0
   
1
   
0
   
0
   
0
   
0
   
0
   
0
   

COMENTÁRIOS NO FACEBOOK