Governo do Bié vai gastar mais de 1 milhão de dólares em viaturas para os serviços gerais
O Governo Provincial do Bié (GPB) vai gastar 596 milhões de kwanzas, o equivalente a 1,2 milhões de dólares, na compra de viaturas "de apoio aos serviços gerais". São ao todo 21 carros, maioritariamente acima dos 60 mil dólares cada, e apenas o governador pode autorizar a despesa prevista no anúncio do leilão publicado esta terça-feira, 06.

Segundo o documento consultado pelo NJ, a verba vai sair do Orçamento Geral do Estado de 2022, do programa "Acções Correntes", que tem inscrito um total de 4,6 mil milhões de kwanzas, ou seja, 9,1 milhões de dólares, o que quer dizer que mais de 10 por cento do montante previsto no OGE2022 para este programa vai ser gasto na compra destes carros de marca Toyota.

As 21 viaturas estão distribuídas por cinco lotes e são vários os modelos Toyota: Prado, Fortuner, Land Cruiser, e, por último, Hilux.

O primeiro lote, no valor de 210 milhões kz (415 mil USD) é para aquisição de seis carros para os "gabinetes de apoio do Governo", valor que se traduz em 69,1 mil USD por cada carro de sete lugares, com motor de quatro cilindros, segundo a descrição.

O segundo, que vale 288 milhões kz (569 mil USD), está reservado à compra de nove carros para os "gabinetes executivos" do GPB. Cada viatura custará aos cofres do Estado 63,2 mil dólares.

O terceiro lote contempla a aquisição de uma viatura no valor de 61,3 mil USD para a "USPEP" - Unidade de Segurança de Entidades Protocolares. O mesmo acontece com o quarto lote, que se destina à compra de apenas um carro, no valor de 45,4 mil dólares, que servirá o "almoxarifado do GPB", que dá apoio ao Palácio do Governo.

O último lote, de 44 milhões kz (87 mil USD), é reservado à compra de quatro viaturas para o "secretariado dos gabinetes do GPB", custando cada uma delas 21,7 mil dólares.

Um funcionário responsável pela gestão do leilão electrónico disse que estas viaturas servirão para substituir carros "adquiridos há muito tempo, danificados, e com manutenções muito caras".

REAÇÕES

0
   
0
   
0
   
0
   
0
   
0
   
0
   
0
   

Comentários