Governo baixa preços de aquisição de terrenos


Os preços dos terrenos infra-estruturados do Estado angolano, que em 2015 foram fixados entre 90 a 214 dólares norte-americanos, por cada metro quadrado, sofreram uma redução na ordem dos 50 por cento estando agora no valor de 45 e 107 dólares.

P U B L I C I D A D E

P U B L I C I D A D E

Em função da actual realidade económica do país e, consequentemente, a perda do poder de compra dos cidadãos, esses preços foram revistos e sofreram uma redução de cerca de 50 por cento, segundo o presidente do conselho de administração da Empresa Gestora de Terrenos Infra-estruturados (EGTI, E.P.), Pedro Cristôvão.

Em entrevista, o gestor lembrou que os preços definidos para os terrenos infra-estruturados em 2015, que ainda vigoram actualmente, “não se adequam a actual realidade económica do país”, tendo em conta a constante variação da taxa de câmbio e a desvalorização da moeda nacional.

Os novos preços desses terrenos, vocacionados à construção de residências ao gosto/escolha do cliente, serão conhecidos na próxima segunda-feira, em Luanda, durante o acto de lançamento da campanha de vendas dos espaços urbanizados.

Nessa primeira fase, o processo de vendas desses espaços vai começar nos terrenos adjacentes à centralidade do Kilamba, em Luanda, que conta com cerca de cinco mil hectares infra-estruturados.

Ao câmbio actual oficial, USD 45 equivale a 21 mil e 592 kwanzas, enquanto 107 dólares corresponde Akz 51 mil e 190, e isso significa que cada metro quadrado (m²) poderá custar cerca de 21 mil e 592 kwanzas, no Sequele, e Akz 51 mil e 190 no Kilamba.

Segundo Pedro Cristóvão, os terrenos infra-estruturados (zonas urbanizadas para construção de casas e outras infra-estruturas) podem ser adquiridos em kwanza, tendo como referência o dólar com a taxa de câmbio actual.

Explicou ainda que os preços dos terrenos têm como referência o dólar, porque os custos de infra-estruturação dessas áreas foram determinados nessa moeda estrangeira, que regista variações constantes no mercado cambial.

Fonte: Angop

REAÇÕES

4
   
1
   
0
   
2
   
0
   
1
   
0
   
0
   


COMENTÁRIOS NO FACEBOOK