Generais queixam-se de perseguição e ameaçam vender grupo em que TV Zimbo faz parte
Os três generais angolanos, accionistas do maior grupo privado de media de Angola, Media Nova, acusados de se terem apossado de mais de mil imóveis arrestados pela PGR, negaram qualquer ligação ao consórcio que construiu os edifícios e, alegando perseguição, ponderam vender o grupo.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

O embaixador chinês em Angola, Gong Tao, terá se reunido com as empresas chinesas envolvidas nas obras, paralisadas após a detenção do ex-patrão do CIF, Sam Pa, que segundo a PGR, Fernando Gomes dos Santos, ex-jurista da Sonangol, e Samora Albino, do Grupo Auchu, subscritores do pacto social do CIF Angola, terão sido testas de ferro de um negócio avaliado em mais de 400 milhões de dólares.

“Estamos a ser alvo de muitas inverdades”, disse o general Dino, um dos principais proprietários da TV Zimbo, do jornal “O País” e da Rádio Mais.

Agastado com informações que o associam ao CIF, o general Kopelipa, antigo director do Gabinete de Reconstrução Nacional (GRN) refutou em declarações ao Expresso as acusações e garantiu não ter “nenhuma participação social nem no CIF nem em nenhuma outra empresa chinesa”.

O general, na reserva, revela ainda que o GRN limitou-se a conceder os terrenos baldios ao consórcio liderado por Sam Pa, que, diante de Eduardo dos Santos, se comprometera a erguer no Zango um vasto conglomerado habitacional e empresarial.

“Pode ter havido algumas irregularidades na tramitação administrativa ligada à propriedade dos terrenos e outros procedimentos inerentes ao processo de investimento estrangeiro”, reconheceu o general Kopelipa.

Também o general Dino desmente qualquer ligação ao CIF. “Não detenho nenhum interesse no projecto do Sango, nem a minha carteira de negócios contempla qualquer tipo de compromisso com os chineses do CIF”, disse, garantindo que, por isso não foi afectado pelo arresto.

Este antigo quadro da Presidência emitiu mesmo uma nota de protesto contra a Televisão Pública de Angola, depois de esta lhe ter atribuído a titularidade de “edifícios, creches e clubes náuticos” agora apreendidos pelo Serviço Nacional de Recuperação de Activos da PGR.

Na versão dos três accionistas do Media Nova, os edifícios agora arrestados pertencem ao CIF Limited Hong Kong, que se havia associado à Sonangol no domínio petrolífero e à Endiama na área dos diamantes.

Fonte: AO24H

REAÇÕES

COMENTÁRIOS