Reportagem: Com um salário mísero, jovem luta para terminar os estudos
Não é fácil estudar e trabalhar em Angola. Conciliar o trabalho com os estudos é um dos problemas que muitos estudantes angolanos enfrentam. E quando o salário não é compatível, se transforma em outra barreira.
Simulação

A julgar pelas inúmeras dificuldades que os jovens vivem, Odílio Francisco Congo, de 28 anos está a licenciar-se em Contabilidade e Gestão na Universidade Kimpa Vita, no Kwanza-Norte. Odílio Congo, além de estudar, também trabalha como garçon (empregado de mesa) num dos restaurantes da cidade do Cazengo, e ganha 15 mil kwanzas mensal.

“Eu tenho um filho e esposa, os 15 mil kwanzas que ganho não chega para as despesas da casa, muito menos para os materiais escolares. As vezes somos obrigados abdicar-se da alimentação para pagar contas ou resolver outras necessidades”.

Odílio é casado e tem um filho de um ano de idade, vive com mãe e o seu irmão menor na mesma casa no município de Cazengo, província do Kwanza-Norte.

“A minha mãe nunca deixou-nos morrer a fome, ela procura sempre fazer alguma coisa, eu tiro o chapéu pela mãe que tenho. Já passamos dias sem comer, mas sabemos que, hoje não vamos comer, mas amanhã com certeza teremos alguma coisa, desde que não estejamos com as mãos cruzadas," frisou.

A falta de políticas a nível da província para integrar jovens como Odílio e tantos outros, e até mesmo para os auxiliar no mercado de trabalho, é apontado como a causa da vida difícil dos jovens da terra da rosa porcelana. 

As bolsas de estudos existentes são insuficientes para um universo de estudantes sem possibilidades financeiras. A maior parte dos estudantes, estudam por conta própria, Odílio tentou várias vezes para conseguir uma bolsa e nunca teve êxito.

"Eu concorri três anos na bolsa e não fui apurado, mas eu tive três amigos que hoje, eu não trato-os como amigos, foram mais que irmãos, nem encontro adjectivos para classifica-los, eles eram bolseiros, e partilhavam comigo os fascículos, livros até mesmo folha de papel”.

Entretanto, Odílio ainda assim prepara a sua monografia, apesar das dificuldades, o trabalho está a 70% "não tive livros para fazer a monografia, mas graças a Deus com ajuda dos amigos, colegas e do próprio tutor, a fundação teórica já está feita vou passar para o próximo passo, ainda precisa-se pagar o tutor, a entrada do documento no departamento são 40.000kzs tenho que pagar a decoração, os valores que tenho que imprimir o trabalho e fazer as correcções”, explica.

Diante desta dura realidade, há sempre barreiras a transpor, 130 mil kwanzas é o valor que separa Odílio da licenciatura. Face a estes desafios, a Contabilidade e Gestão é a aposta maior deste grande jovem batalhador.

REAÇÕES



COMENTÁRIOS