Sentença “da tentativa de atentado contra PR”, será lida a 15 de março
O anúncio foi feito esta quarta-feira, pelo Juíz João António Eduardo Agostinho, do tribunal provincial de Luanda, onde informou o agendamento para 15 de Março a leitura da sentença do caso que envolve 37 antigos militares angolanos, acusados de prepararem um atentado contra o Presidente da República, posse ilegal de armas, rebelião e associação de malfeitores.
Crédito de OPaís (Simulação)

A decisão foi comunicada hoje pelo juiz João António Eduardo Agostinho no final da audiência de julgamento que serviu para a discussão e apresentação dos quesitos, cujas questões levantadas durante a sessão serão respondidas também no dia 15. 

Por seu turno, Salvador Freire, advogado de defesa, alega que os seus clientes não cometeram estes crimes que são acusados e espera bom senso por parte do ministério público.

“Como temos vindo a dizer, temos esperança porque os réus não cometeram os crimes que vêm acusados. Nós, defesa, sempre verificamos que de facto alguma acusação não tem cabimento, há de facto algumas questões que foram discutidas e na questão de provas verificou-se que muitos dos crimes não foram cometidos”, afirmou o advogado Salvador Freire.

De recordar que os acusados são na sua maioria militares desmobilizados das Forças Armadas de Libertação de Angola (FALA), braço militar da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), durante a guerra civil, que terminou em 2002, e estão a ser acusados de associação de malfeitores, posse ilegal de armas e atentado contra o Presidente da República, na forma frustrada, previsto para a madrugada de 31 de Janeiro de 2016. 

REAÇÕES

COMENTÁRIOS