Militares protestam e avançam para repetição do jogo
O 1º de Agosto apresentou já um protesto junto da Confederação Africana de Futebol (CAF), com conhecimento da FIFA, pelas irregularidades criadas pela equipa de arbitragem, liderada pelo zambiano Janny Sikazwe, na derrota por 2-4 diante do Esperance de Tunis, no desafio da segunda mão das meias-finais da Liga dos Clubes Campeões Africanos.

Segundo o presidente do clube militar, Carlos Hendrick, que falava ao canal desportivo da Rádio Nacional de Angola (rádio cinco), pretende-se com este protesto que a CAF, além de penalizar os árbitros, anula a partida no sentido agendar o desafio num campo neutro.

Além das decisões polémicas do juiz, de acordo com o dirigente rubro-negro, foram criadas várias situações incomuns, quer pelos adeptos quer mesmo pela direcção do clube tunisino, que, além de meterem em causa a integridade física dos atletas e dirigentes angolanos, influenciaram directamente no resultado final.

De salientar ainda que, os adeptos do 1.º de Agosto em entrevista à Angola-online, aconselharam o campeão nacional a avançar com o protesto contra o juízo da partida. Porque além das decisões polémicas do árbitro zambiano, foram criadas várias situações incomuns, quer pelos adeptos quer mesmo pela direcção do clube tunisino.

Angop

REAÇÕES

COMENTÁRIOS