Mais de 2 mil bombeiros voluntários com futuro incerto
Cerca de 2 mil e 750 bombeiros voluntários que estão em formação no município de Viana, foram obrigados abandonar o local de formação sem motivos aparentes.

Os formandos que estão há mais de 7 meses em formação e tiveram de abdicar do emprego, família e trancar o ano na universidade, os mesmos sentem-se indignados e enganados pelo Ministério do Interior.

‘’São 7 meses de treino, muitos de nós deixamos os empregos e a escola, depois deste todo tempo nos obrigam à ir para casa sem nenhuma explicação? Só pode ser brincadeira, o comandante Jimbe veio bem a pouco tempo aqui no local de treino e nos garantiu que depois da formação seriamos efectivos dos bombeiros. Agora do nada o comandante Jimbe manda homens para nos tirarem da formação, ninguém vai sair daqui’’, disse furiosamente um dos formandos sob anonimato.

Os bombeiros voluntários fizeram saber que sempre foram motivados pelos líderes bombeiros que visitavam o local.

‘’Nós acordamos 4 horas corremos risco de ser violadas e assaltadas, na terça-feira passada veio cá o subcomissário dos bombeiros garantiu que somos os primeiros bombeiros voluntários no país, estamos a ser escritos no livro de honra com letras de ouro, quando um curso não vai dar certo avisam estamos há 9 meses e não dizem nada’’, disse uma formanda.

Na segunda-feira 21, os mais de 2 mil bombeiros voluntários manifestaram defronte o local de treino, tendo cortado por alguns minutos a circulação rodoviária Vila de Viana – Sanzala, em resposta a polícia afecta ao comando municipal de Viana, dispersou os bombeiros com tiros.

O porta-vos do Serviço de Protecção Cívil e Bombeiros, Faustino Sebastião, em conferência de imprensa realizada nesta quarta-feira 23, fez saber que devido ‘’algumas situações não abonatória’’ o curso foi suspenso e que dentro em breve os formandos serão encaminhados de acordo a zona em que reside e passarão a prestar serviços nas administrações locais.

Apesar dos esclarecimentos feitos por Faustino Sebastião, os bombeiros voluntários mostram-se descontentes visto que sempre envidaram esforço para que a formação ocorresse sem sobressalto.

"Nós aqui para comermos e bebermos tudo é do nosso bolso, criamos uma área de primeiros socorros e os medicamentos que usamos para atendermos os nossos companheiros que passavam mal tudo partia das nossas contribuições, as entidades superiores sabiam que nós estávamos aqui a passar por essas dificuldades, só agora é que acham por não ter condições suspender o curso, isso não é desculpa", frisou um dos bombeiros voluntários.

Durante a nossa reportagem, os bombeiros voluntários revelaram que dois dos seus colegas perderam a vida ao longo da formação, ‘’um passou mal durante o treino e faleceu numa unidade hospitalar, e o outro faleceu depois de ser ferrado no pénis por um animal estranho’’.

REAÇÕES

COMENTÁRIOS