Jornalistas tencionam processar RNA
O Sindicato dos Jornalistas Angolanos incentiva profissionais afastados pela RNA a processar a administração

O  Sindicato de Jornalistas Angolanos (SJA) e o conselho de administração da Rádio Nacional de Angola (RNA) não chegaram a acordo para o regresso de vários profissionais que em Janeiro último foram afastados por terem, supostamente, duplo vínculo laboral.

Desde modo, a organização sindical incentiva os profissionais afectados para avançarem com processos judiciais contra os administradores da rádio pública.

Teixeira Cândido, secretário-geral do SJA, disse ao NJOnline que este apelo para que os profissionais da RNA recorram aos tribunais resulta da constatação de que "a rádio não quer rever a seu posicionamento sobre a medida tomada" mesmo que "juridicamente não exista nenhum enquadramento para essa decisão".

"Os profissionais estão no seu direito para intentar uma acção judicial e o SJA vai apoiá-los", garantiu, justificando este posicionamento com o facto de os jornalistas em questão terem sido "afastados de forma ilegal" porque "não violaram nenhuma cláusula contratual".

"Não faz sentido a expulsão por essa razão (duplo vínculo laboral) uma vez que os colegas não têm com a rádio contrato de exclusividade. E o facto de os colegas trabalharem de manhã para rádio e de noite para as televisões não há nenhum problema de concorrência desleal", referiu o sindicalista, tendo acrescentado que "não se entende qual é a natureza da medida que o conselho de administração da Rádio Nacional de Angola tomou".

O SJA, esclareceu o seu secretário-geral, não pode, por lei, intentar um acção contra a RNA mas pode apoiar os seus filiados nessa acção e "é isso que o sindicato vai fazer".

De referir que, em Janeiro último, o Conselho de Administração da Rádio Nacional de Angola afastou vários profissionais da rádio, com destaque para as jornalistas Mara Dalva, Kinna Santos, Leda Macuéria e o jornalista Amílcar Xavier.

Fonte: Novo Jornal

REAÇÕES

COMENTÁRIOS