João Lourenço ecfetuou 230 exonerações em um ano de governação
O Presidente da República, João Lourenço, no seu primeiro ano de governação afastou 230 governantes, dos quais, administradores de empresas públicas e altas chefias militares.

Depois de ser eleito como o terceiro presidente de Angola, segundo os resultados das eleições gerais de 23 de Agosto de 2017, João Lourenço, tem feito mudanças a nível do governo, no espaço de um ano, afastou do poder praticamente todos os que tinham sido nomeados, por ex-Presidente da República, José Eduardo dos Santos.

De salientar que, quase metade destas exonerações envolve altas patentes das Forças Armadas Angolanas ou das forças de segurança. Mas, em paralelo, desde que chegou ao poder, João Lourenço promoveu cerca de 400 nomeações.

Nomeado recentemente como presidente do MPLA, com 98,58% dos votos, João Lourenço, recebeu o título de “exonerador implacável” pelos meios de comunicação social no país e internacionalmente, considerou numa conferência de imprensa no palácio presidencial, em Luanda, que as exonerações são normais.

“Exoneração é um acto de governação normal. É evidente que houve muitas exonerações, mas houve tantas quantas necessárias”, referiu presidente da República. 

Exonerando nomes como Isabel dos Santos, do cargo de presidente do conselho de administração da Sonangol, general António José Maria, Leopoldino Fragoso do Nascimento, José Filomeno dos Santos do Fundo Soberano, este detido ontem em prisão preventiva, suspeito de crimes de associação criminosa, tráfico de influência, burla e branqueamento de capitais.

Fonte: Lusa | Texto: Igor Silva

REAÇÕES

COMENTÁRIOS