JES assume os seus erros e revela nunca ambicionou ser presidente
José Eduardo dos Santos encerrará hoje, 8 de Setembro, a sua trajectória política, no VI Congresso Extraordinário do MPLA, substituído assim, pelo actual presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade

No seu último discurso como presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos, disse que “é de cabeça erguida que estou neste conclave, com a convicção de ter cumprido o meu papel, e pronto para passar o testemunho da liderança do partido ao seu próximo presidente". 

Com a morte do primeiro presidente de Angola, Agostinho Neto, a 10 de Setembro 1979, José Eduardo dos Santos foi eleito Presidente do MPLA a 20 de Setembro de 1979, ao longo de 39 anos, assumiu que cometeu erros, mas garantindo que sai de “cabeça erguida”.

Como presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, foi considerado um Chefe de Estado moderado, empenhado em manter a paz no país, embora também crítico, pelo facto de deixar muitos problemas a nível sociais e económico. 

Para José Eduardo dos Santos, as circunstâncias histórico-políticas acabaram por prolongar a sua permanência na liderança, tanto do país, como do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA). E, acrescenta ainda que "não existe qualquer actividade humana isenta de erros".

"Assumo que também os cometi", reconheceu José Eduardo dos Santos, sublinhando que "o erro é parte integrante do processo de aperfeiçoamento". "Por isso se diz que aprendemos com os erros".

E ainda número 1 do partido no poder, José Eduardo dos Santos, termina o seu último discurso dizendo que “estamos juntos e estaremos juntos no futuro”. 

Redacção

REAÇÕES

COMENTÁRIOS