FMI alerta subida do custo da dívida em Angola
O Fundo Monetário Internacional (FMI), alertou nesta quarta-feira, que o custo de servir a dívida pública, vai subir significativamente nos próximos anos, devido a quebra de receitas petrolíferas.

De acordo com o relatório sobre a Estabilidade Financeira Global, hoje divulgado no âmbito dos Encontros Anuais do FMI e do Banco Mundial, em Washington, "a sustentabilidade da dívida permanece uma preocupação para alguns mercados de fronteira", entre os quais os analistas destacam, entre outros, Angola.

"Nos próximos anos, vários emissores de dívida soberana em África, como Angola, Gabão, Tunísia, Zâmbia, e na América Latina e nas Caraíbas (Belize, Equador, Jamaica) vão ver as obrigações com o serviço de dívida ao sector privado aumentar substancialmente ou permanecer elevada", lê-se no documento.

O FMI não apresenta os dados para nenhum destes países, numa lista que inclui Angola, onde o Fundo tem um programa de assistência financeira no valor de 3,7 mil milhões de dólares, cerca de 3,3 mil milhões de euros.

A dívida pública tem aumentado significativamente nos últimos anos devido à quebra das receitas petrolíferas em moeda externas, o que levou a uma depreciação da moeda local e a uma subida da inflação.

Em Junho, o FMI tinha considerado que a dívida pública de Angola tinha ficado nos 91% face ao PIB no ano passado e afirmado que este valor é sustentável desde que não existam grandes choques na economia.

REAÇÕES

COMENTÁRIOS