Comandante Geral da Polícia Nacional pede desculpas
O comandante-geral da Polícia Nacional, Paulo de Almeida, pediu hoje desculpas à família de Juliana Kafrique e à sociedade em geral, em relação a morte da vendedora ambulante, vítima de um disparo de arma de fogo, protagonizado por um agente da corporação, no final da tarde de terça-feira, no Rocha Pinto, em Luanda.

Paulo de Almeida, que falava em exclusivo a fonte da Angola-Online, garantiu que o agente, que disparou contra a vendedora ambulante, está já detido e foi submetido a um processo disciplinar e criminal, que "poderá culminar com o seu afastamento da corporação, por má conduta". 

O responsável da Polícia Nacional admitiu que "o agente da corporação falhou durante a sua actuação" e nunca deveria utilizar a arma de fogo diante de uma cidadã indefesa.

"Sempre aconselhamos os nossos efectivos, que em caso de os cidadãos que fazem a venda ambulante estiverem a prejudicar o trânsito e afectar a ordem pública, devem somente aconselhar para se retirarem dos locais, de forma pedagógica, evitando usar a arma de fogo", avançou.

Angola-Online sabe também que o Comandante de Esquadra, onde o agente trabalhava, foi-lhe “aplicada a sanção disciplinar de DESPROMOÇÃO”, bem como os outros elementos que estiveram no local da ocorrência. 

Fonte: Jornal de Angola

REAÇÕES

COMENTÁRIOS