Decorreu na última segunda-feira no Tribunal Provincial de Luanda, a primeira sessão de julgamento dos 14 réus acusados de serem responsáveis pela morte dos quatro cidadãos chineses no bairro do Benfica, no ano passado.
NJ

O Ministério Público acusou os réus de vários crimes como homicídio qualificado, ocultação de cadáver, burla, roubo qualificado, chantagem, tráfico de bens roubados e fraude.

Apenas foi ouvido um dos réus, o sargento da Marinha de Guerra Angolana, Severino Catchinjongo, que durante o interrogatório de quatro horas confessou que no dia do crime estava fardado e tinha uma pistola, que serviu apenas para ameaçar.

 “Era apenas para ameaçar e não para matar”, disse. Questionado sobre a posse da pistola fora da unidade militar, Severino Catchinjongo respondeu que o objectivo era intimidar os bandidos no seu bairro.

O crime ocorreu no ano passado no município de Belas, comuna do Benfica, quando as vítimas foram atraídas pelo cidadão identificado por Nataniel Mingas, considerado o mandante do crime, para a compra de uma parcela de terra de dois hectares e, localizado na via expressa. 

A Polícia Nacional deteve oito homens supostamente envolvidos na execução. Os corpos dos chineses foram descobertos por populares e os acusados detidos depois de um árduo trabalho de investigação da Polícia Nacional. 

Edições Novembro

REAÇÕES

1
0
0
0
0
1
0
2

COMENTÁRIOS