Angola vai produzir remédio para combater doenças graves
Angola vai produzir, com recurso à alga “espirulina”, um medicamento para combater doenças graves e a malnutrição, anunciou, em Luanda, a ministra das Pescas e do Mar, Maria Antonieta Baptista.

A governante, que falava à comunicação social na Feira Alimentícia, que decorreu até sábado, na Zona Económica Especial (ZEE) Luanda-Bengo, explicou que o projecto é desenvolvido pelo Ministério das Pescas e do Mar, em parceria com o Ministério da Saúde. 

A ministra Maria Antonieta Baptista adiantou que a “espirulina” é “bastante nutritiva” e surge da algicultura, processo de criação de algas, e assegurou que o medicamento vai ajudar a tratar pessoas com doenças cancerígenas e outras crónicas, como a tuberculose, além de ajudar na luta contra a malnutrição em crianças.

A titular da pasta das Pescas e do Mar não avançou um horizonte temporal para o início da produção do medicamento, mas prometeu uma produção da alga em grande escala para atender ao número de casos de doenças graves que vierem a precisar do novo remédio em Angola.

Na Internet, estão disponíveis muitas informações sobre a “espirulina”, da qual se diz ser uma alga que melhora a saúde e contém quantidades significativas de cálcio, niacina, potássio, magnésio, vitaminas B e ferro. 

A “espirulina”, também conhecida por “spirulina”, é composta por 62 por cento de proteína completa e fornece todos os aminoácidos essenciais que o corpo não consegue produzir e que, às vezes, podem faltar numa dieta desequilibrada.

Crédito de Jornal de Angola

REAÇÕES

COMENTÁRIOS