Ambulância e medicamentos foram pagos, mas o professor não foi assistido
A morte do professor universitário Talango António, foi mesmo por negligência médica e falta de humanismo por parte dos médicos do hospital do Kapalanga, em Viana. Combustível e medicamentos foram pagos.

A Angola-Online hoje deslocou-se ao Hospital do Kapalanga para ouvir a direcção sobre a morte do professor Talango António, mas sem sucesso, a nossa equipa foi escorraçada daquela unidade sanitária. 

Na busca incessante pela informação, a Angola-Online conversou com uma das estagiárias que na noite da passada sexta-feira, esteve de serviço nas urgências, e viu Talango António, a perder a vida sob olhar desprezível dos médicos.

Segundo conta a nossa fonte, os acompanhantes da vítima imploravam que fosse assistido com urgência, quando chegou a este hospital vindo da unidade sanitária do Zango, onde não foi assistido por falta de condições. Minutos depois, inanimado, os médicos orientaram para que os acompanhantes fossem comprar os medicamentos para Talango António, ser assistido. Medicamentos, estes que nem foram utilizados pelo corpo clínico que em seguida sem nenhuma assistência, pediu que comprassem combustível de 5 mil kzs para ambulância, para que a vítima fosse transferida para a Maria Pia. 

No corre-corre, depois de passar quase trinta minutos, Talango António, é posto na ambulância para ser transferido, mas com poucos sinais vitais. A caminho da Maria Pia, o professor da Universidade Jean Piaget não resistiu depois de muita luta e deixou o mundo dos vivos.  

Deixando um vazio impreenchível e dor que ninguém já mais cessará, no seio da família, amigos, vizinhos e classe académica. Nas redes sociais é visível a consternação de estudantes, colegas e pessoas solidárias. 

De acordo com a Inspecção Geral da Saúde, por esta altura decorre o inquérito para apurar os factos, e o que Angola-Online sabe, a direcção do referido hospital reunirá com o Ministério da Saúde nos próximos dias.

REAÇÕES

COMENTÁRIOS