AEnergy diz não ter ligação com a família do ex-presidente
A empresa AEnergy disse que não tem ligação com a família do ex-presidente JES e solicitou à PGR de Angola, a abertura de uma investigação à “rescisão unilateral e injustificada” de contratos que tinha celebrado com o Ministério da Energia e Águas.

Anúncio

Anúncio

O Estado rescindiu, por Decreto Presidencial de 23 de Outubro, um contrato pelo qual a Aenergy, SA deveria instalar uma central termoeléctrica de bicombustível de 750 megawatts no Soyo, o que se junta a outros 13 revogados em Agosto.

A Aenergy apresentou, também, no passado dia 7 de Outubro de 2019, um recurso administrativo ao Presidente da República, João Lourenço, no sentido de solicitar a revogação do Despacho Presidencial 154/19, para que seja resposta a legalidade e sejam respeitados os Contratos celebrados com a Aenergy.

A Aenergy solicitou à Procuradoria Geral da República (PGR) de Angola a abertura de uma investigação à rescisão de 13 contratos relativos à instalação de novas centrais de produção de energia, assistência técnica e manutenção aos centros eléctroprodutores com equipamentos da marca General Electric, bem como a construção de pequenos sistemas de abastecimento de água levada a cabo pelo Ministério da Energia e Águas(MINEA).

A queixa na PGR foi formalizada no dia 23 de Setembro e a Aenergy pede a reposição da legalidade e da transparência nas relações com as entidades públicas angolanas, bem como denuncia a forma alegadamente ilegítima como o MINEA e demais entidades na sua superintendência rescindiram contratos legitimamente em vigor, alguns dos quais referentes a projectos em fase de conclusão ou já concluídos e inaugurados durante o ano de 2017.

A empresa diz que o Ministro da Energia e Águas e o seu Gabinete omitiram, desde Dezembro de 2018, factos alegadamente de natureza criminal relativos a documentos emitidos por entidades tuteladas pelo Ministério, não tendo participado de imediato e oportunamente os mesmos à PGR como era o seu dever legal na sequência de repetidos requerimentos apresentados pela Aenergy. 

Fonte: Angola 24 Horas

REAÇÕES

COMENTÁRIOS